segunda-feira, 26 de junho de 2017

POETA MÁRIO QUERINO JÁ INICIOU A PINTURA NA CASA DE D. MARIA JOSÉ COM SUCESSO




O Poeta Mário Querino
Começou hoje a pintura
Na casa de D. Maria José.
A cor atual deixa escura,


Porque é de cor laranja,
E esta cor atrapalha.
Por isso D. Maria José
Decidiu pôr a cor palha.


Pois a idade está vindo,
As vistas ficando fracas,
Carecendo espaço claro,
E a cor palha se destaca.




O Poeta já pintou muito,
Trinta por cento da casa.
Como frui deste recesso,
Quer deixar toda pintada


A casa de D. Maria José.
Com certeza dará tempo,
Pois só voltará ao Colégio,
Pra semana (assim penso).


A casa de D. Maria José há
Um moderno aspecto.
O Poeta Mário Querino faz
Seu trabalho com sucesso.


Mário Querino – Poeta de Deus

Poeta Mário Querino 26/06/2017

AURORA ESPERA FELIZ POR QUEM ORA

D. Maria José e Poeta Mário Querino 26/06/2017


Durante uma noite fria
No Distrito de Bananeiras,
Fiquei ao lado de D. Maria
Aquecido a noite inteira.


O nosso cobertor é sim
Suficiente para nós dois,
O frio entre Maria e mim
Obviamente logo se foi.


Hoje me levantei tarde,
Já eram quase seis horas.
Mas a aurora, na verdade,
Espera feliz por quem ora


Ao Senhor, o Criador sim
Dos Céus e da Terra,
E claro, de tudo em fim.
E eu no bom pé de serra


Faço meu devido papel
Ao lado de D. Maria,
Permaneço cada dia fiel,
Sem nenhuma alegoria.


Mário Querino – Poeta de Deus 

domingo, 25 de junho de 2017

QUEM UNE O VARÃO A VAROA, NÃO É A RELIGIÃO, MAS SIM O AMOR DE DEUS



O Poeta Mário Querino
Disposto para ir à Igreja,
Mostrou um gesto lindo
A varoa que mais almeja


Na sua companhia aqui
E onde quer que ele for.
O Poeta para pra refletir
A magnitude deste amor


Entre ele e D. Maria José.
Ora, D. Maria José adota
A doutrina que pra ela é
Tudo, a doutrina Católica.


O Poeta tem outra visão,
Segue a regra protestante,
Onde o seu terno coração
Tem achado importante.


Alguém pode até indagar:
“Como há união e virtude,
Se têm religião diferente
Onde a doutrina e atitude


Trazem costume e cultura
Opostos a vida de ambos?”
Eu respondo com candura
No terno cantinho baiano:


O amor entre D. Maria José
E o Poeta Mário Querino,
É castiço e Jesus de Nazaré
Quem conduz seu destino.


Não é nenhuma religião
Que une o varão a voara,
Mas o amor faz a união
Entre duas ternas pessoas.


D. Maria José é católica
E o Poeta Mário Querino
De todo o coração adota,
Ela tem apoio do Divino.


O Poeta Mário Querino
É protestante e é aceito
No cantinho nordestino,
Claro, vive bem satisfeito


Ao lado de D. Maria José.
De fato, esta convivência
Santifica Jesus de Nazaré
Por nossa benevolência.


O Poeta Mário Querino
Não vive esse extremismo,
D. Maria José seguindo
Com sua fé o catolicismo


Jamais vai trazer turbação
No abençoado casamento.
Pois eles não vivem religião,
Porém, sim o mandamento:


“Ser fiel até que a morte
Nos separe.” Até aqui Deus
Tem lhes dado a boa sorte
E aumentado o amor seu.

Mário Querino – Poeta de Deus 

Poeta Mário Querino e D. Maria José
25/06/2017



GRAVIOLA APARECEU NA CASA DE D. MARIA JOSÉ, E É MOTIVO DE POESIA

Poeta Mário Querino 25/06/2017


Já apareceu uma graviola
Na casa de D. Maria José.
Daí eu peguei com gosto
E também com muita fé.


Com ela fui fotografado
Para todo mundo nos ver,
Que nós deste cantinho
Temos a volição e prazer


De viver com contubérnio.
Deus dá neste domingo
Esta fruta assim agradável
Pro Poeta Mário Querino


Fazer sua boa publicidade
De forma poética na terra.
Por isso mostra a graviola
Neste amado pé de serra.


Isto é uma grande riqueza
Do cantinho nordestino.
Graviola é uma fruta boa,
Diz o Poeta Mário Querino.

Mário Querino – Poeta de Deus  


MANHÃ DE DOMINGO TRANQUILA NO DISTRITO DE BANANEIRAS, BERÇO DO POETA MÁRIO QUERINO




Hoje é domingo, dia feliz
No Distrito de Bananeiras.
A chuva veio ao alvorecer
De maravilhosa maneira


Que já gera esta poesia.
O Distrito de Bananeiras
Está tão pacífico e bem
Que eu fico a vida inteira





Contemplando a beleza
Que inspira o seu Poeta.
Que vai até a sua praça
E extrai uma foto desta.


Claro, a sua linda serra
Já está quase escondida
Por uma chuva fininha,
O Poeta fica feliz da vida.


Mário Querino – Poeta de Deus 

Poeta Mário Querino 25/06/2017

sábado, 24 de junho de 2017

POR QUE ABANDONAREI A MINHA CASA EM DIAS DE FESTAS INCONVENIENTES PARA MIM?

Poeta Mário Querino 24/06/2017


Em plena zoada de festa
Eu dormi na calmaria
Ao lado da minha mulher,
A minha querida Maria.


E também na nossa casa
Dorme o nosso filho Acaz.
A zoada de música e fogos
Está realmente, demais.


Ainda liguei o computador
Depois das cinco horas.
É óbvio, para ouvir hinos,
Cânticos que Jesus adora.


E também já escrevo sim
Um sonho que eu tive
Na noite de fogos e festas,
Claro, fogos e festas livres.


Então, estava dormindo,
Sonhei alguém indagando:
“Por que crentes deixam
Suas casas e ficam orando


Em lugares longe de festa?
Digo, festa inconveniente.”
Respondi: Porque não têm
A segurança permanente.


Caso fiquem no ambiente
Onde ocorre o tipo festa
Que não é lhe consentido,
Seus corações se afetam


E caem dentro sem querer.
Então fazem seus retiros
Achando que Deus estará
Nesse ambiente tranquilo


Onde só vão ficar orando...
Mas na verdade, com temor
De ficar entre os festeiros,
Ambiente em que o Senhor


Mais precisa dos crentes
Pra ficarem sempre orando
Pelas famílias dos festeiros
Que estão precisando


Duma conversão urgente.
Os crentes abandonando
Suas casas, dão a entender
Que o Diabo está atuado


Livre no ambiente da festa.
Os crentes quem deveriam
Combater com atitude e fé,
Não fugir com medo da folia.


Na minha concepção, isso
Dá a entender que a sua fé
É tão pouca que dá medo
De também ir ao arrasta-pé.


Então preferem ficar longe,
Ainda que a mente fique
Conjecturando no cenário
Onde a grande festa existe.


Os incomodados que saiam,
Eu estou na minha casa,
Jamais eu vou abandoná-la,
Tenho fé que Deus guarda,


Mas se eu largar tudo isto
Pra não cair no arrasta-pé,
Obviamente, Deus me dirá:
“Tu és homem de pouca fé,


Em vez de repreender o mal,
Foge para bem distante
Com medo de nele entrar,
Tu és crente insignificante.


A hora que eu mais preciso
Da tua presença no lugar
Para dar um bom exemplo
É a hora que eu vejo largar


De mão e fugir para recanto.
Achando que não conheço
Teus pensamentos e desejo
E tudo que aqui tem feito.”


Daí me acordei pensando:
Se eu abandonasse a casa,
Eu não daria uma brecha
Para ser de fato, habitada


Pelos espíritos malignos?
Quem guardaria esta casa
Se não tivesse eu e família?
Não impede essa zoada


De eu adorar ao Senhor
Em espírito e em verdade.
Se eu deixar a casa vazia
Pode acontecer novidade.


Mário Querino – Poeta de Deus  

sexta-feira, 23 de junho de 2017

QUEM QUER VIVER PARA OS OUTROS SE ESQUECE DE VIVER

Poeta Mário Querino 23/06/2017


Num pequeno distrito
Havia um senhor feliz,
Não usava bebida forte,
Cerveja ele nunca quis.


Amigos e conterrâneos
Sempre lhe criticavam
Porque ele não bebia
E nem num bar entrava.


Então um dia ele usou
A inteligência pra saber
Se o povo lhe criticava
Era por ser contra beber


Bebida forte ou cerveja.
O que ele fez? Um dia
Foi ao um pequeno bar,
Ficou fingindo que bebia


Com uns conterrâneos
Que gostavam de beber.
Passado um bom tempo
Saiu para o povo lhe ver.


Claro, observando tudo,
Ele pôde então perceber
Que muitos criticavam
Quando viram ele pender


Pra um lado e pro outro.
Mas ele cônscio de tudo
Meneou a cabeça e disse:
"Agora acho um absurdo,


Ninguém agrada ninguém!
Quando eu não bebia,
Todos criticavam de mim,
Agora, que num bar fingia


Que estava bebendo sim,
Todos estão me caçoando
Crendo que estou bêbado
Neste cantinho baiano.


Não existe coisa melhor
Do que eu aceitar eu
Do jeito que sempre fui,
Assim fez o Senhor Deus


O homem e a mulher.
E quem vive para outros,
Ora, se esquece de viver
E a vida perde seu gosto."


Mário Querino – Poeta de Deus