POETA MÁRIO QUERINO COME MEL DO ENGENHO DE P. HONORO



Meu filho Acaz trouxe
O bom mel do engenho,
Com alegria eu comi
E sentindo gosto venho.

Já fazia uns 40 anos
Que eu comi deste mel.
Agora estou comendo
E agradeço ao Pai do céu.




O mel ainda está morno
Pois veio agora a pouco
Do engenho de P. Honoro.
Coloquei farinha a gosto

Para lembrar do passado,
Quando meu pai moía,
Eu tinha mel à vontade
E com farinha eu comia.



Mário Querino – Poeta de Deus

Poeta Mário Querino 21/11/2015

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

KELVYN, O BANANEIRENSE RECÉM-NASCIDO, MORRE ANTES DE VER A LUZ DO DIA

MÁRTIR TIRADENTES

EQUIPE DO CREAS FAZ PALESTRA NO COLÉGIO MUNICIPAL DO DISTRITO DE BANANEIRAS