ENTRE A SABEDORIA E A LOUCURA

Poeta Mário Querino 21/08/2017


Já baseado num sonho
Que tive na madrugada,
Agora, já me disponho
Redigir minhas palavras.


Eu tentando ser 100%
Justo, o meu espírito,
Minha alma, exceto,
Meu corpo no Distrito,


Começaram se achar
Um pouco repudiados,
De fato, em todo lugar
Onde eram chegados.


Isso me trouxe a saber
Que o homem não será
Justo, enquanto viver
Nesta Terra. Pode tentar


Até se justificar, sabendo
Que, boa parte da vida,
É claro, já está perdendo
E sua pessoa já excluída.


Com experiência própria,
Tentei viver a justiça,
Mas ninguém disso gosta,
Porque a pessoa fica

Vendo o errado no viver
Do seu melhor amigo,
O corpo pode até se ver
Entre, mas são excluídos


O espírito e a alma sim.
Eu que vivia tão bem,
Agora já existe em mim
Um repúdio também.


Por mais que eu cace
Estar entre as pessoas,
Meu corpo até se ache
Presente numa boa,


Mas o espírito e a alma
Se sentem excluídos.
Isso tira a minha calma,
E para mim é prejuízo.


E a Palavra de Deus diz:
“Não sejas demasiadamente
Justo...” Isso me deixa feliz.
Segue: “Nem exageradamente


Sábio, por que te destruirias
A ti mesmo?” Isso eu peço
A Deus todos os meus dias.
“Não sejas demasiadamente perverso,


Nem sejas louco; por que morrerias
Fora do tempo?” Eclesiastes 7.16-17.
Obviamente, hoje em dia,
O homem moderno carece


Viver a sua vida com justiça,
Mas já sabendo de tudo isso:
Quem mais lhe explica
A verdade no Distrito,


É o primeiro a lhe repudiar.
Por que o homem vai querer
No caminho de Deus andar,
E isso incomoda o seu viver.


Porque a verdade dói
E um chefe jamais quer ser
Repreendido entre nós.
Daí o justo passa a viver


Presente com o corpo,
Porém o espírito e a alma
Estão longe um do outro,
E o homem perde a calma.


Mário Querino – Poeta de Deus    

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÁRTIR TIRADENTES

ADOLESCÊNCIA DE MARIA JOSÉ

DIA MUNDIAL DA SAÚDE