DEUS ME PROJETOU NO PRINCÍPIO, MAS SÓ APÓS BILHÕES DE ANOS ELE ME DEU A VIDA

Poeta Mário Querino 23/03/2018



Quando Deus fez o mundo
E deu uma forma à terra,
Claro, com amor profundo
Me projetou no pé de serra.


Depois de bilhões de anos
Resolveu me dar a vida
Neste cantinho baiano
Aonde sempre minha lida


Satisfaz sim ao coração.
É óbvio, não vivo aqui
Usufruindo de tudo não,
Por ser limitado e sentir


Na alma e no espírito
Que este meu corpo
Não ficará no Distrito,
E eu não sou um louco


Para colocar na mente
Que devo ser o melhor.
Eu sei que certamente,
Voltarei sem nada ao pó.


Do que me adiantaria
Eu pisar num e noutro
Para poder ter regalia
E logo eu ser um morto,


E em quem mais pisei
Ficar nesta terra amada
Com o que eu conquistei,
Ainda dando gargalhadas?


No meu ponto de vista,
Não tem coisa melhor
Do que ter a vida lícita,
Ciente que voltarei ao pó.


Como já cônscio de tudo,
Não sou nenhum besta,
Para fazer grande estudo
E após não usar a cabeça,


Achar que sou melhor
Que os meus irmãos
Que vivem sim ao redor
Cumprindo a sua missão.


Na verdade, seria louco,
Se eu vivesse diferente,
Se eu fosse sim por outro
Que se acha inteligente,


E sabido. Contudo, só
Que não se dá conta
Que, ainda sendo melhor,
A Morte vem e apronta


Para lhe levar sem nada.
E quem ficar aqui vivo,
Viverá dando gargalhadas,
Por lucrar sem ter sofrido


Nem se preocupado não.
Por isso não sou besta,
Para investir na Educação
E trazer na minha cabeça


Essa tamanha ignorância,
Aplicar algo demasiado,
Falar com essa arrogância
E se achando exaltado.


Realmente, não é justo
Usar mão sobre a cabeça
De quem vive bruto
E fazendo mal no Planeta.


Agora, abusar do poder,
De fato, é ser muito besta,
Porque logo vai morrer
Sem fazer falta no Planeta.

Mário Querino – Poeta de Deus

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MÁRTIR TIRADENTES

LIVROS DOADOS POR RONIWALTER JATOBÁ CHEGARAM HOJE AO COLÉGIO DO DISTRITO DE BANANEIRAS EM PAZ

SEPULTAMENTO DE GILMÁRIO (PICHOLA) FOI REALIZADO DEPOIS DAS 17 HORAS NO CEMITÉRIO DA PAZ DO DISTRITO DE BANANEIRAS